Política

Dilma Rousseff chega à Rússia para encontro do Brics

A presidente Dilma Rousseff chegou, na tarde desta quarta-feira (8), em Ufá, na Rússia. Ela vai se reunir com os líderes de governo do país, além de China, Índia e África do Sul, no sétimo encontro anual do Brics. O encontro vai acontecer nas encostas dos Montes Urais, durante dois dias. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Pool/ EFE

Por Bárbara Gomes no dia 08 de Julho de 2015 ⋅ 16:45

A presidente Dilma Rousseff chegou, na tarde desta quarta-feira (8), em Ufá, na Rússia. Ela vai se reunir com os líderes de governo do país, além de China, Índia e África do Sul, no sétimo encontro anual do Brics. O encontro vai acontecer nas encostas dos Montes Urais, durante dois dias.

Os presidentes dos outros países já tinham chegado pela manhã e aproveitaram para realizar encontros bilaterais com o presidente anfitrião, Vladimir Putin. Os chefes das nações têm a agenda prioritária em torno do acordo sobre o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do Brics ou Banco do Brics, que começou a operar há poucos dias. A nova instituição terá sede em Xangai, na China, tendo como presidente o banqueiro indiano K. V. Kamath, e como vice, o economista brasileiro Paulo Nogueira Batista Junior.

Conforme o G1, por volta das 16h30, a presidente já havia se encontrado com Vladimir Putin. Ele oferecerá mais tarde um jantar típico para os chefes de governo.

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"