Política

Presidente do STF nega pedido feito pela defesa de Dilma Rousseff

O ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido formulado pela defesa de Dilma Rousseff, presidente afastada, para convocar peritos e intimar seus assistentes técnicos para prestarem esclarecimentos na sessão de julgamento que será dirigida por Lewandovski. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Antônio Cruz/ Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 22 de Agosto de 2016 ⋅ 18:21

O ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido formulado pela defesa de Dilma Rousseff, presidente afastada, para convocar peritos e intimar seus assistentes técnicos para prestarem esclarecimentos na sessão de julgamento que será dirigida por Lewandovski. 

O ministro argumentou que a matéria fazia parte da etapa de produção de prova da perícia e, por tanto, já está superada.

A defesa de Dilma, por sua vez, disse que a convocação dos peritos e assistentes técnicos é necessária porque a cada etapa do processo, pontos que a perícia ja teria se manifestado de forma contraria são contemplados. Os defensores da presidente afirmaram também que está sendo criada uma “curiosa situação de incerteza jurídica”, eles ressaltam que a presença dessas figuras pode esclarecer quesitos já apresentados. 

Lewandowski respondeu que esses fatores deveriam ter sido formulados na fase de produção de provas, e que o plenário não é o lugar para isso. O ministro reafirmou ainda que todos os questionamentos de todas as partes já foram respondidos pela junta pericial. “O pleito formulado pela defesa, nesta fase de julgamento, nada acrescentará de relevante para esclarecer os fatos, mostrando-se, ademais, inoportuna”, concluiu.

Notícias relacionadas

[Justiça manda soltar Joesley Batista ]
Política

Justiça manda soltar Joesley Batista 

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Novembro de 2018 ⋅ 14:44 em Política

Advogado do dono da JBS, Perpaolo Bottini afirmou que a soltura demonstra "a ilegalidade e gravidade da prisão"