Política

"Não é Dilma que está sendo julgada, é a democracia", afirma Roberto Requião

Um dos defensores da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o senador Roberto Requião (PMDB-PR) usou seu tempo na tribuna do Senado, onde a petista fez discurso e se defendeu no seu processo de impeachment, na manhã desta segunda-feira (29), para defender Rousseff. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Jefferson Rudy/Agência Senado.

Por Matheus Morais no dia 29 de Agosto de 2016 ⋅ 12:19

Um dos defensores da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o senador Roberto Requião (PMDB-PR) usou seu tempo na tribuna do Senado, onde a petista fez discurso e se defendeu no seu processo de impeachment, na manhã desta segunda-feira (29), para defender Rousseff. "Não é Dilma que está sendo julgada, é a democracia", disse Requião. 

"Muitas vezes subi a essa tribuna para criticar a política da presidente. E fiz isso com desenvoltura", afirmou Requião. "Hoje falo constrangido. Porque não é a presidente que está sendo julgada no Senado. É a democracia." Ele negou que Dilma tenha cometido um crime. "Estamos discutindo um sistema de governo. Que começou com tentativa de introdução do parlamentarismo", disse. Requião criticou o congelamento dos reajustes de gastos públicos proposto por integrantes do governo Temer."Não se pode mais nascer, não se pode mais estudar, não se pode melhorar ensino, não se pode melhorar saúde", afirmou. "É o Brasil que está em jogo. Não é o mandato da presidente Dilma Rousseff.", ressaltou. 

Notícias relacionadas

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014

[Moro pede exoneração do cargo de juiz ]
Política

Moro pede exoneração do cargo de juiz 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 13:33 em Política

No documento, o futuro ministro da Justiça alegou que é notório o convite e aceite para a assumir a pasta em 2019