Política

Advogados de defesa e acusação retomam julgamento de Dilma no Senado

A previsão inicial é de que esta fase dure 18 horas e meia, sem levar em conta os intervalos previstos para almoço e jantar. Em seguida, os senadores vão responder através do voto. A votação será nominal, via painel eletrônico, onde o resultado será divulgado. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Camila Tíssia no dia 30 de Agosto de 2016 ⋅ 06:19

Após a presidente afastada, Dilma Rousseff, realizar nessa segunda-feira (29) a sua defesa no processo de impeachment que tramita no Senado Federal, os trabalhos do julgamento são retomados nesta terça-feira (30). na Casa. Às 10h começam os debates entre acusação e defesa. Os advogados Janaína Paschoal e José Eduardo Cardozo, respectivamente, terão 1h30 cada para fazer suas alegações e depois mais 1h para réplica e 1h para tréplica. No entanto, os debates podem durar até cinco horas.

Após esse debate, será iniciada a discussão dos parlamentares. Cada um terá direito a falar por 10 minutos, que não podem ser prorrogados. Até a noite dessa segunda-feira (29), 53 senadores já estavam inscritos para falar, mas outros podem requisitar o direito ao debate até o último minuto. O primeiro será o senador Gladson Cameli (PP-AC). A previsão é de que essa fase do julgamento dure cerca de nove horas e pode se estender, se mais senadores se inscreverem.

Encerrada a discussão, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, que conduz o julgamento, vai ler um resumo do processo, com as fundamentações da acusação e da defesa e ele fará a seguinte pergunta aos senadores: “Cometeu a acusada, a senhora presidenta da República, Dilma Vanna Rousseff, os crimes de responsabilidade correspondentes à tomada de empréstimos na instituição financeira controlada pela União e à abertura de créditos sem autorização do Congresso Nacional, que lhes são imputados, e deve ser condenada à perda do seu cargo, ficando, em consequência, inabilitada para o exercício de qualquer função pública pelo prazo oito anos?".

Votação
A previsão inicial é de que esta fase dure 18 horas e meia, sem levar em conta os intervalos previstos para almoço e jantar. Em seguida, os senadores vão responder através do voto. A votação será nominal, via painel eletrônico, onde o resultado será divulgado. Cada senador falará o voto, assim como ocorreu na Câmara. Se ao menos 54 senadores votarem a favor do impeachment, Dilma será definitivamente afastada da Presidência. Além de perder o mandato, ela ficará inelegível por oito anos a partir do fim de 2018, quando se encerraria o seu mandato. Se o placar de 54 votos favoráveis ao impedimento não for atingido, o processo será arquivado e Dilma reassumirá a Presidência da República.

Acompanhe:

Notícias relacionadas

[‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora]
Política

‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora

Por Matheus Simoni e Alexandre Galvão no dia 18 de Dezembro de 2018 ⋅ 09:10 em Política

"A política não aceita uma mulher preta, favelada, lésbica. Esse contexto é dramático é pode colocar outras vidas em risco”, declarou ela, em entrevista a Mário Kertész