Política

Lúcio sobre Dilma: "Manter habilitação para função pública foi tiro no pé"

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (1º), e criticou a manutenção da habilitação para a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) exercer funções públicas, apesar da cassação do seu mandato. O afastamento definitivo da petista foi votado no Senado, na última quarta-feira (31). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/BBC

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 01 de Setembro de 2016 ⋅ 10:07

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (1º), e criticou a manutenção da habilitação para a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) exercer funções públicas, apesar da cassação do seu mandato. O afastamento definitivo da petista foi votado no Senado, na última quarta-feira (31).

Para o peemedebista, a decisão "é inconstitucional". "Acho que foi uma decisão equivocada e vai ser levado ao STF [Supremo Tribunal Federal]. É ilegal. A punição é a perda de mandato e se tornar inelegível — como foi o caso de [Fernando] Collor. O equívoco é do Senado. Equívoco que será barrado no STF", assegurou.

Na oportunidade, Lúcio negou que o PMDB tenha feito um acordo com PT para não punir Dilma. "Se foi feito acordo, eu não participei, até porque não sou senador. Fala-se que Renan Calheiros, inclusive, ao encaminhar o voto acendeu uma vela para Deus e outra para o Diabo. São especulações que me nego a comentar", disse.

"O PMDB assinará o questionamento ao STF, autorizado pelo presidente Michel Temer. Foi um tiro no pé, nenhum partido é menino amarelo", finalizou.

 

Notícias relacionadas