Política

Janaína cobra de Temer: "Ele me deve ser o maior presidente de todos os tempos"

A jurista Janaína Paschoal, uma das coautoras da denúncia que levou ao processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), declarou, apoia a sessão que aprovou o afastamento da petista, que o agora presidente definitivo, Michel Temer (PMDB), “tem uma dívida" com ela. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Edilson Rodrigues/Agência Senado

Por Laura Lorenzo no dia 01 de Setembro de 2016 ⋅ 18:35

A jurista Janaína Paschoal, uma das coautoras da denúncia que levou ao processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), declarou, apoia a sessão que aprovou o afastamento da petista, que o agora presidente definitivo, Michel Temer (PMDB), “tem uma dívida" com ela. 

Nas palavras da advogada, “Ele me deve ser o maior presidente de todos os tempos". Segundo o Estado de S. Paulo, a mensagem ao peemedebista através do telefone de um assessor parlamentar de Geddel Vieira Lima (PMDB), ministro da Secretaria do Governo. 

Janaína não só concordou com a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, de separar as condenações contra Dilma, como também comemorou a definição. A divisão possibilita que a ex-presidente, mesmo perdendo seu mandato, mantenha o direito de concorrer e ocupar cargos públicos. “Acredito que foi uma decisão justa, respaldada pelo que foi feito no processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor", completou ela. 

Na opinião de Janaína, houve “compaixão” na decisão de negarem a proibição das funções públicas de Dilma.  "Acho que ali no final, houve um ato de compaixão dos senadores. Houve um apelo, alguns falaram sobre seu salário de aposentadoria, sobre o impedimento de ser até mesmo professora", finalizou.

Notícias relacionadas

[‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora]
Política

‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora

Por Matheus Simoni e Alexandre Galvão no dia 18 de Dezembro de 2018 ⋅ 09:10 em Política

"A política não aceita uma mulher preta, favelada, lésbica. Esse contexto é dramático é pode colocar outras vidas em risco”, declarou ela, em entrevista a Mário Kertész