Política

7 de setembro: Temer vai abrir mão de Rolls Royce em desfile oficial

Durante o desfile militar de 7 de setembro, que celebra a Independência do Brasil, em Brasília, o presidente da República, Michel Temer, vai abrir mão da tradição de usar o Rolls Royce da Presidência da República, nesta quarta-feira (7). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ Youtube

Por Matheus Morais no dia 07 de Setembro de 2016 ⋅ 07:28

Durante o desfile militar de 7 de setembro, que celebra a Independência do Brasil, em Brasília, o presidente da República, Michel Temer, vai abrir mão da tradição de usar o Rolls Royce da Presidência da República, nesta quarta-feira (7). O carro, com uma capota conversível, normalmente é utilizado nas posses presidenciais e também em datas comemorativas. O Palácio do Planalto não justificou o motivo da decisão de Temer. 

Michel Temer usará um carro fechado para fazer a revista às tropas e se dirigir até a tribuna de autoridades, de onde acompanhará o desfile ao lado da primeira-dama, Marcela Temer, e do filho Michelzinho. 

O desfile está previsto para começar às 9h. Assim que o presidente estiver posicionado na tribuna, serão realizados os ritos militares com a execução do Hino Nacional e do Hino da Independência.


Com um custo de R$ 1,1 milhão, o desfile contará com cerca de 1,2 mil civis, incluindo estudantes da rede pública, e 3,3 mil militares. No total, serão mais de 20 entidades e órgãos envolvidos.

Notícias relacionadas

[Ministro do TSE aceita ação do PDT contra Bolsonaro]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Ministro do TSE aceita ação do PDT contra Bolsonaro

Por Marina Hortélio no dia 22 de Outubro de 2018 ⋅ 15:40 em Política

Já o pedido do partido de Ciro Gomes de impedir empresas e coligação de Bolsonaro de utilizarem o WhatsApp em campanha foi negado

[PGR se cala sobre fala de Eduardo Bolsonaro]
Política

PGR se cala sobre fala de Eduardo Bolsonaro

Por Matheus Simoni no dia 22 de Outubro de 2018 ⋅ 15:00 em Política

No domingo, 21, a PGR já havia dito que não se manifestaria. Hoje, entretanto, o órgão passou a ser pressionado