Política

Após ironizar saída do PT, Pinheiro dispara: “Não vou afundar com o Titanic”

O senador Walter Pinheiro (PT) comentou, em entrevista à Rádio Metrópole nessa sexta-feira (10) a sua suposta saída do Partido dos Trabalhadores após os últimos escândalos de corrupção envolvendo o nome da legenda. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Senado

Por Bárbara Silveira no dia 10 de Julho de 2015 ⋅ 12:45

O senador Walter Pinheiro (PT) comentou, em entrevista à Rádio Metrópole nessa sexta-feira (10) a sua suposta saída do Partido dos Trabalhadores após os últimos escândalos de corrupção envolvendo o nome da legenda. “Eu tenho brincado com as pessoas. Eu não tava batendo em ninguém, tava fazendo critica ao governo e mostrando as propostas. Eu estava fazendo a mesma crítica que Lula estava fazendo ao governo. Se ele tá saindo, estou saindo também. Fiz a mesma critica de falta de projeto. No último congresso do PT, estava fora discutindo um projeto importante para a Bahia. Acho que o congresso faltou tema para discutir, tanto que a minha ausência foi importante. Meu foco hoje é o debate de quando a gente encontra saídas para o Brasil, não de saída do partido”, afirmou.

Apesar da negativa, quando questionado por um ouvinte se “iria esperar o titanic afundar”, em alusão a situação do partido, o senador disparou: “Não vou ficar esperando o violino tocar ali em cima para afundar com o Titanic”, disse.

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"