Política

"O Brasil é gay uma caceta", diz Pastor Sargento Isidório

O atual deputado e candidato a prefeito de Salvador Pastor Sargento Isidório (PDT) rebateu um questionamento sobre declarações homofóbicas, transparecendo ainda mais o seu preconceito à homoafetividade, durante a sabatina da rádio Itapoan FM desta quinta-feira (8). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ Facebook

Por Luiza Leão no dia 08 de Setembro de 2016 ⋅ 18:55

O atual deputado e candidato a prefeito de Salvador Pastor Sargento Isidório (PDT) rebateu um questionamento sobre declarações homofóbicas, transparecendo ainda mais o seu preconceito à homoafetividade, durante a sabatina da rádio Itapoan FM desta quinta-feira (8).

Para Isidório, os homossexuais querem impor sua orientação sexual a outras pessoas, inclusive às crianças. O candidato é contra o ensino sobre sexualidade nas escolas, porque "sexo é em quatro paredes". Além disso o pastor afirmou que é necessário separar os sindicalistas das "bichas"-  corrigindo rapidamente o termo pejorativo. "Eu estou aprendendo, eu não sou besta não", garantiu.

"Tem de separar o gay, que não pode mais ser chamado de 'bicha', o homoafetivo, a 'homoafetiva', do sindicalista. Daquele que quer gay, gay, todo mundo gay, gay, gay, gay, o Brasil é gay...uma caceta! O Brasil não é gay, é de Jesus! Salvador não é gay, é de Jesus!", expressou Isidório com tom de voz irritadiço, ainda que em frase desconexa.

Ele, que garante ser um ex-gay, disse que em sua gestão respeitaria os homossexuais. "Ninguém vai tratar gay melhor do que eu. Eu já passei por isso, eu sei o que é isso. É um sofrimento", declarou Isidório. Quando for prefeito, disse que trabalhará com gays e com lésbicas, sendo concursados ou não. Isidório afirmou ainda que atualmente essas pessoas lhe auxiliam na produção de sua campanha, mas não as nomearia para não expô-las.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro será diplomado nesta segunda]
Política

Bolsonaro será diplomado nesta segunda

Por Alexandre Galvão no dia 09 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:00 em Política

Os diplomas são assinados pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, que abre a sessão solene e indica dois ministros para conduzirem os eleitos ao plenário