Política

"Tudo é regime de urgência", critica deputado sobre obstrução de projetos

O regime de urgência nos projetos enviados pelo executivo para a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) voltou a ser criticado pelo deputado estadual Adolfo Viana (PSDB). Em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (9), ele citou a a aprovação do projeto que pode alterar o quadro de funcionários da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/AL-BA

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 09 de Setembro de 2016 ⋅ 08:49

O regime de urgência nos projetos enviados pelo executivo para a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) voltou a ser criticado pelo deputado estadual Adolfo Viana (PSDB). Em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (9), ele citou a a aprovação do projeto que pode alterar o quadro de funcionários da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder). 

"O governo tem encaminhado para a Assembleia projetos em regime de urgência, tirando a competência das comissões temáticas. Nós entramos num processo de obstrução para aperfeiçoar e amadurecer os projetos. O governo enviou de novo semana passada e depois veio o apelo dos funcionários da Conder. Agora, a oposição não vê sentido em osbtruir mais. E o governo vem fazendo esse absurdo, tudo é em regime de urgência", pontuou. 

Notícias relacionadas

[PF pede prisão de Benito Gama, mas ministro do STF nega]
Política

PF pede prisão de Benito Gama, mas ministro do STF nega

Por Matheus Simoni no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 11:42 em Política

Também foram negados os pedidos de prisão domiciliar do senador e deputado federal eleito Aécio Neves (PSDB-RJ), de sua irmã Andrea Neves, e do deputado federal Paulinho...

[MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus]
Política

MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus

Por Matheus Simoni no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 10:26 em Política

O imóvel, que é atribuído ao petista, é alvo de uma denúncia do órgão, que afirma que as empreiteiras Odebrecht e OAS compraram e pagaram por melhorias no sítio