Política

Cármen Lúcia toma posse na presidência do STF nesta segunda-feira

Após o término do mandato de Ricardo Lewandowski, a ministra Cármen Lúcia toma posse como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (12). Durante dois anos, ela ainda vai chefiar o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O vice do STF será Dias Toffoli, que também será empossado na cerimônia, marcada para 15h. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Dorivan Marinho/SCO/STF

Por Camila Tíssia no dia 12 de Setembro de 2016 ⋅ 06:57

Após o término do mandato de Ricardo Lewandowski, a ministra Cármen Lúcia toma posse como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (12). Durante dois anos, ela ainda vai chefiar o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O vice do STF será Dias Toffoli, que também será empossado na cerimônia, marcada para 15h.

Cerca de 2 mil pessoas foram convidadas para a solenidade de posse, entre autoridades dos Três Poderes, membros do Ministério Público, advogados e familiares. A sessão será aberta pelo atual presidente, Ricardo Lewandowski, e pelo presidente da República, Michel Temer. De acordo com o G1, por escolha de Cármen, o discurso de boas vindas será feito pelo ministro Celso de Mello. A secretária-geral do STF e braço direito da ministra será a juíza Andremara dos Santos.

Caberá a Cármen Lúcia, como presidente do STF, elaborar a pauta semanal de julgamentos do plenário, formado pelos 11 ministros da Corte. O colegiado, formado por cinco ministros, analisa, entre outros casos, a maioria dos processos de políticos investigados na Operação Lava Jato. Lewandowski também vai assumir a responsabilidade sobre 3,2 mil processos hoje sob relatoria de Cármen Lúcia.

Há 10 anos no STF, Cármen Lúcia será a segunda mulher a ocupar o cargo. Quando foi nomeada, em 2006, por indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente da Corte era a ministra aposentada Ellen Gracie.

Notícias relacionadas

[‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora]
Política

‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora

Por Matheus Simoni e Alexandre Galvão no dia 18 de Dezembro de 2018 ⋅ 09:10 em Política

"A política não aceita uma mulher preta, favelada, lésbica. Esse contexto é dramático é pode colocar outras vidas em risco”, declarou ela, em entrevista a Mário Kertész