Política

"Me digam qual é o golpe? Eu só quero governar", afirma presidente Michel Temer

O presidente da República, Michel Temer, afirmou em entrevista ao jornal O Globo que é preciso respeitar "o movimento popular que está na rua", mas minimizou, dizendo que "o golpe não pegou", por ser um movimento político. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 12 de Setembro de 2016 ⋅ 07:25

O presidente da República, Michel Temer, afirmou em entrevista ao jornal O Globo que é preciso respeitar "o movimento popular que está na rua", mas minimizou, dizendo que "o golpe não pegou", por ser um movimento político. “Acho que o golpe não pegou. Pegou como movimento político. Como movimento político é bem pensado até. Eu quero que explique o golpe (sobe o tom, bate na mesa seguidas vezes). Eu quero debater o golpe, quero que tenham argumentos. Porque o que está infernal no Brasil é essa irascibilidade. Isso está infernizando o país. Me digam qual é o golpe? Eu só quero governar. Para mim, é honroso (assumir a Presidência). Não é questão de vida ou morte”, ressaltou.

Temer voltou a afirmar na oportunidade que "jamais" vai interferir nas investigações da Operação Lava-jato, destacando que não há hipótese de procurar um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de influenciá-lo na condução da operação.
 
“Jamais o Executivo vai interferir nessa matéria. Cada Poder exerce o seu papel e seria um absurdo do Poder Executivo. Primeiro, impossível, inadmissível imaginar que o presidente da República possa chamar alguém do Supremo e dizer “decidam assim ou assado”. Não existe isso no Brasil. Eu jamais faria isso. Sou muito consciente dos termos da Constituição. Não tem a menor possibilidade de interferência do Executivo, nem a favor, nem contra”, disse Temer.

Notícias relacionadas

[Justiça manda soltar Joesley Batista ]
Política

Justiça manda soltar Joesley Batista 

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Novembro de 2018 ⋅ 14:44 em Política

Advogado do dono da JBS, Perpaolo Bottini afirmou que a soltura demonstra "a ilegalidade e gravidade da prisão"