Política

Apesar de rumores, Cunha descarta possibilidade de renúncia: "Sem chance"

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), falou tarde desta segunda-feira (12), poucas horas antes do julgamento que pode definir sua cassação, que não pretende renunciar ao seu mandato. “Não. Sem a menor chance”, ressaltou o peemedebista. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : José Cruz/ Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 12 de Setembro de 2016 ⋅ 18:05

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), falou na tarde desta segunda-feira (12), poucas horas antes do julgamento que pode definir sua cassação, que não pretende renunciar ao seu mandato. “Não. Sem a menor chance”, ressaltou o peemedebista. 

Apesar da veemente negativa de Cunha, circula dentro da Câmara, entre alguns parlamentares, que o deputado afastado vai renunciar em algum momento antes ou durante a sessão que está maracada para começar às 19h.

Devido aos rumores, os integrantes da assessoria técnica da Casa destacou que, mesmo com a renúncia, Cunha continua contando com o foro privilégiado até a votação ser concluída. Contudo, a renúncia não interrompe o processo que deve cassar o mandato do deputado. Ainda assim, existe a possibilidade de acontecerem tumultos na sessão pela ação de aliados do peemedebista, obrigando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a interromper a votação, cedendo o privilégio a Cunha de continuar com o foro privilégiado até que data de uma nova sessão seja determinada 

Desde a última quinta-feira (8), o deputado afastado já teve pelo menos três pedidos de suspensão ou modificação do processo de cassação negados. 

O Painel da Câmara, às 16h, já mostrava a presença de 159 na sessão e 218 na Casa. Aliados de Cunha garantem que haverá quórum suficiente para a realização do processo de cassação na noite desta segunda. Contudo, Rodrigo Maia definiu que só abrirá a votação caso haja a presença de pelo menos 420 deputados. Para a cassação de Cunha, são necessário no mínimo 257 votos, e o esvaziamento da sessão poderia contar a favor do ex-presidente.

Faltando poucas horas para o horário marcado para o início do processo de cassação, pelo menos dez partidos já confirmaram presença, incluindo PT e PSDB, que afirmaram que suas bancadas estarão em peso na sessão.  

Entre as legendas que prometem a presença total de seus deputados estão o PT (com 58 parlamentares), PSDB (50 deputados), DEM (27), PPS (8), PSB (33), PCdoB (11), PSOL (6) e Rede (4), além do PSD (35) e do PR (42).

Notícias relacionadas