Política

Geddel se declara favorável a proposta que dá anistia à prática de caixa 2

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), afirmou ser "pessoalmente" favorável a um projeto de lei pode promover a anistia da prática do caixa 2. Em entrevista ao jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira (21), o peemedebista disse que o Congresso deve debater o tema sem "preconceito", "patrulha" ou "histeria".[Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2016 ⋅ 16:23

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), afirmou ser "pessoalmente" favorável a um projeto de lei pode promover a anistia da prática do caixa 2. Em entrevista ao jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira (21), o peemedebista disse que o Congresso deve debater o tema sem "preconceito", "patrulha" ou "histeria".

Geddel explicou partir da premissa que o projeto enviado pelo Ministério Público Federal (MPF) à Câmara dos Deputados pede, entre outros pontos, a criminalização do caixa dois.

"Se pede isso, é lícito supor que caixa 2 não é crime. Se não é crime, é importante estabelecer penalidades aos que infringirem a lei. Agora, quem foi beneficiado no passado, quando não era crime, não pode ser penalizado", disse Geddel, ressaltando que esse é um posicionamento pessoal e que não reflete o que pensa o governo do presidente Michel Temer. "Não sou jurista e posso estar falando uma blasfêmia do ponto de vista jurídico. Estou analisando a situação pela lógica. Não trataria como anistia porque anistia serve a quem cometeu um crime. No caso do caixa dois, se não tem crime, não tem anistia", argumentou.

Relator diz que Geddel "terá que rever seus conceitos"

As declarações de Geddel causaram estranheza ao relator das dez medidas de combate à corrupção propostas pelo Ministério Público, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Em entrevista ao Globo, o democrata afirmou que o ministro "terá que rever seus conceitos". "Não temos mais espaço para tratar o caixa 2 como crime menor no Brasil. Isso acabou lá atrás com o Márcio Thomaz Bastos e o Lula em 2006, no escândalo do mensalão. A sociedade brasileira quer que o Caixa 2 seja criminalizado e a comissão aprovará isso", disse Onyx. Pelo Twitter, o ministro retrucou o parlamentar. Veja:

 

Notícias relacionadas