Política

Lobão não desiste da oposição radical e faz versão com "Dilma Bandida"

Com a fama de antipetista radical, o cantor Lobão na noite do sábado (11) aproveitou para disparar sua revolta partidária em São Paulo. Ele cantou para um público razoável que vibrou, conforme o site UOL, com músicas que tinham adaptações difamando o PT. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Bárbara Gomes no dia 12 de Julho de 2015 ⋅ 17:32

Com a fama de antipetista radical, o cantor Lobão na noite do sábado (11) aproveitou para disparar sua revolta partidária em São Paulo. Ele cantou para um público razoável que vibrou, conforme o site UOL, com músicas que tinham adaptações difamando o PT. 

Os presentes se empolgaram com a versão do êxito de 1987 transformada em "Dilma Bandida". O cantor também aproveitou para fazer uma chamada ao próximo protesto contra o governo de Dilma Rousseff, no dia 16 de agosto. Ainda de acordo com a matéria do Uol, no decorrer do show, ele chamou o PT de "cafona", "engano", "mentira", "bunda mole”, entre outros termos.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...

[Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS]
Política

Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:28 em Política

Eleito em 1989 presidente da República, o primeiro eleito pelo voto popular após a ditadura militar, Collor comandou o país entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment