Política

Medida que libera aborto em casos de zika pode ser votada ainda este ano

A ação que pede a legalização do aborto para mulheres grávidas de crianças afetadas pelo Zika vírus, que está associado à microcefalia, pode ser julgado ainda este ano, declarou a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, nesta sexta-feira (23). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : José Cruz/ Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 23 de Setembro de 2016 ⋅ 17:20

A ação que pede a legalização do aborto para mulheres grávidas de crianças   afetadas pelo Zika vírus, que está associado à microcefalia, pode ser julgado ainda este ano, declarou a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, nesta sexta-feira (23).

A medida foi apresentada pela Associação Nacional de Defensores Públicos (Anadep) em agosto deste ano. "Tenho trabalhado nisso. Esse é um caso sério [...] Estamos de novo chegando no final de ano. Acho que dá [para levar ao plenário] a cautelar...", declarou a ministra, que é a relatora da ação.

Também com o voto da presidente, o aborto de fetos com anencefalia, uma má formação cerebral que, além de impossibilitar a vida do bebê após o parto, traz riscos à mãe, foi liberado em 2012. 

Cármen Lúcia afirmou também que a ação atual é “totalmente diferente” dessa. “Eu acho que é mais delicado até por causa do momento em que aconteceu isso e a sociedade quer participar”, disse. A ministra aproveitou para afirmar que agora, após o término do processo Impeachment, ela trará um viés mais social à sua gestão.

Notícias relacionadas

[Ministro do TSE aceita ação do PDT contra Bolsonaro]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Ministro do TSE aceita ação do PDT contra Bolsonaro

Por Marina Hortélio no dia 22 de Outubro de 2018 ⋅ 15:40 em Política

Já o pedido do partido de Ciro Gomes de impedir empresas e coligação de Bolsonaro de utilizarem o WhatsApp em campanha foi negado

[PGR se cala sobre fala de Eduardo Bolsonaro]
Política

PGR se cala sobre fala de Eduardo Bolsonaro

Por Matheus Simoni no dia 22 de Outubro de 2018 ⋅ 15:00 em Política

No domingo, 21, a PGR já havia dito que não se manifestaria. Hoje, entretanto, o órgão passou a ser pressionado