Política

Presidente do PT rebate Imbassahy: “Tem que pedir explicação sobre a Lapa"

O presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, rebateu as declarações do deputado Antônio Imbassahy (PSDB) sobre o incidente no Centro de Convenções da Bahia. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Matheus Morais no dia 25 de Setembro de 2016 ⋅ 08:20

O presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, rebateu as declarações do deputado Antônio Imbassahy (PSDB) sobre o incidente no Centro de Convenções da Bahia. "Antes de tentar tirar proveito político da situação, Imbassahy precisa explicar a farra que fez com dinheiro público pra pagar despesas de combustível. Depois, o farrista tem que pedir explicação do prefeito sobre o desastre na Estação da Lapa, que se transformou em uma cachoeira artificial na última sexta", afirmou o petista. 

De acordo com Everaldo, o tucano precisa ficar atento ao que realmente preocupa em Salvador. "A chuva da última sexta desmanchou uma das maquiagens milionárias que a Prefeitura fez na cidade. A Estação da Lapa precisa passar por perícia independente e rigorosa com urgência para não colocar em risco a vida de milhares de pessoas que passam por lá diariamente. Será que Imbassahy já pediu isso a seu aliado político?", questionou.

"Também não dá pra esquecer que o ganhador da licitação para explorar a Estação da Lapa é parente do prefeito ACM Neto. Será que Imbassahy não se preocupa também com essa questão ou realmente não se preocupa com o destino do dinheiro público?", indagou Everaldo. O petista lembrou ainda que Imbassahy transformou o metrô em piada nacional quando era prefeito: "ele tem uma dívida com o Governo, que colocou o metrô pra andar depois dele fazer a Bahia passar vergonha em todo país", ressaltou. .

Notícias relacionadas

[Bolsonaro será diplomado nesta segunda]
Política

Bolsonaro será diplomado nesta segunda

Por Alexandre Galvão no dia 09 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:00 em Política

Os diplomas são assinados pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, que abre a sessão solene e indica dois ministros para conduzirem os eleitos ao plenário