Política

50 mil comissionados ligados ao PT devem perder cargos depois das eleições

Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, cerca de 50 mil funcionários comissionados ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT) devem perder os cargos depois das eleições. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ BBC

Por Matheus Morais no dia 06 de Outubro de 2016 ⋅ 08:02

Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, cerca de 50 mil funcionários comissionados ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT) devem perder os cargos depois das eleições. Os péssimos resultados da sigla no pleito deste ano em relação ao pleito de 2012 alarmaram a alta cúpula petista. O partido perdeu 350 prefeituras em relação a 2012. 

Ainda de acordo com a publicação, o número circula em reuniões internas, em que também são discutidas uma questão de ordem financeira: as doações dos filiados, agora sem cargo, devem cair. Os petistas já esperavam derrotas no Sudeste, principalmente em São Paulo, mas foram surpreendidos com o resultado no Nordeste, já que o partido esperava tirar forças da região para se reerguer. 

Na Bahia, o Partido dos Trabalhadores (PT), que elegeu 93 representantes em 2012, foi a legenda que mais perdeu lideranças nas prefeituras nas eleições de 2016. A partir do próximo ano, terá 39 gestores nos municípios, podendo aumentar o número, caso vença o segundo turno em Vitória da Conquista.

Notícias relacionadas

[Moro deve trocar comando da Polícia Federal]
Política

Moro deve trocar comando da Polícia Federal

Por Marina Hortélio no dia 17 de Novembro de 2018 ⋅ 08:30 em Política

De acordo com a Folha, o atual superintendente da PF do Paraná, o delegado Maurício Valeixo, é um dos principais cotados para assumir o posto de diretor-geral da PF ou in...

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014