Política

Otto critica prefeito eleito de Simões Filho e diz que aguarda processo

Em nota enviada ao Metro1, na tarde desta quinta-feira (6), o senador Otto Alencar (PSD) respondeu ao prefeito eleito da cidade de Simões Filho, Diógenes Tolentino de Oliveira (PMDB), o Dinha, que aguarda com serenidade o processo que Dinha promete mover contra ele. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Senado

Por Matheus Morais no dia 06 de Outubro de 2016 ⋅ 12:15

Em nota enviada ao Metro1, na tarde desta quinta-feira (6), o senador Otto Alencar (PSD) respondeu ao prefeito eleito da cidade de Simões Filho, Diógenes Tolentino de Oliveira (PMDB), o Dinha, que aguarda com serenidade o processo que Dinha promete mover contra ele. "Pela minha postura firme contra a participação da agiotagem, da contravenção e do tráfico de drogas na política, o que já me rendeu ameaças que não me intimidam. Sobre essas ameaças, já tomei as providências cabíveis junto às autoridades responsáveis. A respeito do processo, vou me defender", disse. Otto afirmou que a campanha de Dinha teve apoio do tráfico de drogas

Na nota, Otto exaltou a administração do atual prefeito, Eduardo Alencar (PSD), seu irmão. "É o autor das maiores e principais obras na cidade de Simões Filho. Cito no rol de tantas obras, o Hospital, as Unidades de Pronto Atendimento (UPA), postos de Saúde, escolas e as estradas asfaltadas a exemplo da estrada para o Distrito de Mapele, da Pitanguinha a Góes Calmon e do Guerreiro até o Distrito de Palmares, que beneficiam o povo bom e amigo de Simões Filho", ressaltou. 

Otto afirmou ainda que deseja que  "o prefeito eleito chegue ao menos perto do que fizemos e que seja tão eficiente na Administração Municipal como está sendo agora como advogado de defesa do tráfico de drogas". 

Notícias relacionadas

[Temer assina decreto de extradição de Cesare Battisti]
Política

Temer assina decreto de extradição de Cesare Battisti

Por Matheus Simoni no dia 14 de Dezembro de 2018 ⋅ 16:54 em Política

Condenado por quatro homicídios na Itália na década de 1970, Battisti estava no Brasil e encontra-se foragido da justiça, segundo a Polícia Federal