Política

Almeida denuncia “intimidações desavergonhadas" de Temer para a aprovação de PEC

O líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, o baiano Daniel Almeida, afirmou que o governo Temer tem imposto “intimidações desavergonhadas” contra parlamentares da base contrária à aprovação da PEC 241, que institui um teto de gastos públicos para os próximos 20 anos. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Luis Macedo/ Câmara dos Deputados

Por Laura Lorenzo no dia 10 de Outubro de 2016 ⋅ 16:52

O líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, o baiano Daniel Almeida, afirmou que o governo Temer tem imposto “intimidações desavergonhadas” contra parlamentares da base contrária à aprovação da PEC 241, que institui um teto de gastos públicos para os próximos 20 anos.

O projeto deve ser votado nesta segunda-feira (10) e é uma proposta apoiada pelo governo. “O que se sabe é que aqui acontece o fisiologismo mais desavergonhado que se tem notícia. Muitos parlamentares ficaram constrangidos em votar a favor do projeto, porque ele muda a Constituição, mas claramente votam porque houve fechamento de questão das bancadas em favor da aprovação”, declarou ao Bahia Notícias. 

Ele completou afirmando que a oposição vai lançar mão de um “arsenal de obstruções para impedir que o texto seja aprovado. 

Segundo o deputado, o também baiano Jorge Solla (PT-BA), o governo Temer tem tentado levantar votos com um “chicote em uma mão e dinheiro na outra”. “Tinha deputado da base do governo ameaçando não votar e eles foram controlados atendendo reivindicações ou com ameaças de expulsão dos partidos”, contou. 

“Eles acabaram com exigência de prazo regimental, aprovaram quebra de interstício, são capazes de votar um turno atrás do outro. Vão fechar vagas em universidades e hospital. O golpe aconteceu porque se gastava muito com pobres”, denunciou Solla.

Notícias relacionadas

[Procuradoria eleitoral pede cassação de Doria]
Política

Procuradoria eleitoral pede cassação de Doria

Por Alexandre Galvão no dia 19 de Dezembro de 2018 ⋅ 07:40 em Política

Os procuradores calculam que a Prefeitura gastou R$ 52,5 milhões em propaganda no primeiro semestre desta ano, 79% a mais do que a média dos primeiros semestres de 2015