Política

Deputado avalia impacto da PEC: 'país não engole essa conversa de golpe'

O deputado federal Arthur Maia (PPS), defensor da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um teto para o aumento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos, falou em entrevista a Mário Kértesz nesta segunda-feira (10). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Facebook

Por Luiza Leão no dia 10 de Outubro de 2016 ⋅ 19:27

O deputado federal Arthur Maia (PPS), defensor da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um teto para o aumento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos, falou em entrevista a Mário Kértesz nesta segunda-feira (10). 

Por telefone, o deputado baiano afirmou que seria mais fácil para o presidente Michel Temer (PMDB) adotar medidas populistas, uma vez o peemedebista não anda muito bem avaliado pelos brasileiros. Entretanto, para Maia, isso aumentaria a inflação, juros e o número de desempregados, estimado em 12 milhões. "Qualquer dona de casa sabe que quando uma pessoa está gastando mais do que ganha precisa apertar o cerco. Isso não é diferente em uma empresa ou um país", explicou. 

Para o Arthur Maia, a medida ajudará a tirar o Brasil da crise. "Eu tenho confiança", disse. De acordo com o deputado federal, a PEC será aprovada. De direita, criticou a oposição, falando que os orçamentos enviados aos países como Cuba e Venezuela deveriam ser investidos no Brasil. E acrescentou: "O Brasil não engole mais essa conversa de golpe".

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...