Política

Alice afirma que PEC induz privatizações: "O prejudicado será o mais pobre"

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB) foi entrevistada por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (11), e comentou a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que classificou como "PEC da maldade". A votação aconteceu na última segunda-feira (10) e contou com 366 votos favoráveis. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Gabriel Nascimento no dia 11 de Outubro de 2016 ⋅ 09:41

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB) foi entrevistada por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (11), e comentou a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que classificou como "PEC da maldade". A votação aconteceu na última segunda-feira (10) e contou com 366 votos favoráveis. Para a comunista, que se posicionou contra, a proposta é "um grave retrocesso". "É o recheio do golpe. O grande prejudicado será o mais pobre", afirmou.

De acordo com Alice, a medida "induz a privatização dos serviços públicos". "É um absurdo, uma elasticidade desmedida para conter gastos. A não ser que você tenha uma bola de cristal, um convênio com o futuro pra saber o que vai acontecer daqui a 20 anos, onde você estabelece que saúde, educação, serão reajustadas pela inflação nunca maior que os gastos do ano anterior", disse.

"O governo do golpe faz o golpe todos os dias contra os direitos sociais. Isso muito me preocupa porque venho da luta social. Depois de estarmos iniciando um processo de justiça social, apenas iniciando, e Salvador é campeã em desigualdade, vamos agora ter um retrocesso pelo congelamento dessas políticas públicas. Infelizmente, caminhamos para essa posição privatista", finalizou.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro será diplomado nesta segunda]
Política

Bolsonaro será diplomado nesta segunda

Por Alexandre Galvão no dia 09 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:00 em Política

Os diplomas são assinados pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, que abre a sessão solene e indica dois ministros para conduzirem os eleitos ao plenário