Política

Deputado rebate críticas sobre a PEC 241: “PT já pensava em estipular um teto”

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) defendeu, em entrevista a José Eduardo nessa quinta-feira (13), a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que determina o congelamento dos gastos públicos por 20 anos [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Bárbara Silveira e Matheus Morais no dia 13 de Outubro de 2016 ⋅ 09:40

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) defendeu, em entrevista a José Eduardo nessa quinta-feira (13), a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que determina o congelamento dos gastos públicos por 20 anos. A medida, que já foi aprovada na Câmara, tem sido muito criticada por setores da sociedade que questionam os prejuízos para a educação e saúde, por exemplo.

Mas segundo o deputado, a aprovação “é necessária” e começou a ser pensada no governo do Partido dos Trabalhadores (PT). “Irá para o senado onde o presidente Renan Calheiros disse que vai aprovar a PEC o mais rápido possível. Essa PEC é necessária. Antigamente o PT já pensava no caso em estipular um teto. Nisso você tem o controle dos gastos. Hoje o Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo, se não tomasse a providência da PEC ia piorar”, argumentou. 

Segundo Lúcio, a medida vai auxiliar o crescimento da economia do país. “É o primeiro passo e dará inicio ao primeiro programa social que o Brasil poderá ter, que é a geração de emprego. O caso do Fies, é espetacular, mas temos o programa e não temos o dinheiro para pagar. Por isso é mais importante que se permita o crescimento do país. As categorias hoje pensam mais em si, neste momento é importante aprovar a PEC para colocar o Brasil no rumo do crescimento. Tem estado que não vai ter dinheiro para pagar o 13º. Não adianta uma família gastar mais do que arrecada”, concluiu. 

 

Notícias relacionadas

[Ação do DEM no STF pode tirar o mandato de 27 deputados]
Política

Ação do DEM no STF pode tirar o mandato de 27 deputados

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:00 em Política

Processo que questiona as novas regras para a divisão de cadeiras remanescentes tem o potencial de rachar o Centrão, segundo a Coluna do Estadão