Política

Renan sai em defesa de Polícia Legislativa do Senado após operação da PF

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgou nota à imprensa nesta sexta-feira (21), após a operação da Polícia Federal que prendeu quatro agentes da Polícia Legislativa. Segundo o peemedebista, os policiais atuaram dentro da lei e as varreduras solicitadas por senadores "restringem-se a detecção de grampos ilegais". [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fábio Rodrigues Pozzebom

Por Matheus Simoni no dia 21 de Outubro de 2016 ⋅ 15:45

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgou nota à imprensa nesta sexta-feira (21), após a operação da Polícia Federal que prendeu quatro agentes da Polícia Legislativa. Segundo o peemedebista, os policiais atuaram dentro da lei e as varreduras solicitadas por senadores "restringem-se a detecção de grampos ilegais".

De acordo com Calheiros, é "impossível, por falta de previsão legal e impossibilidades técnicas, diagnosticar quaisquer outros tipos de monitoramentos que são feitos nas operadoras telefônicas". O presidente informou ainda que o Senado acionou advogados para acompanhar todos os procedimentos até a conclusão das investigações por parte da PF e que a Casa vai colaborar com as investigações.

A operação se baseou no depoimento de um policial legislativo, que relatou ao Ministério Público Federal que o chefe da polícia do Senado teria realizado medidas de contrainteligência nos gabinetes e residências dos senadores Fernando Collor de Mello (PTC-AL), Edison Lobão (PMDB-MA), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e do ex-senador José Sarney (PMDB-AP), que foi presidente do Senado.

Notícias relacionadas