Política

Lava Jato: Polícia Federal indicia Antonio Palocci por corrupção passiva

A Polícia Federal indiciou nesta segunda-feira (24) o ex-ministro Antonio Palocci por corrupção passiva na âmbito da operação Lava Jato. Também foram indiciadas outras cinco pessoas, entre elas o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht e o publicitário João Santana. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 24 de Outubro de 2016 ⋅ 15:13

A Polícia Federal indiciou nesta segunda-feira (24) o ex-ministro Antonio Palocci por corrupção passiva na âmbito da operação Lava Jato. Também foram indiciadas outras cinco pessoas, entre elas o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht e o publicitário João Santana. O indiciamento será encaminhado ao Ministério Público Federal, a quem caberá decidir se oferece denúncia à Justiça contra os acusados pela Polícia Federal.

De acordo com a PF, Palocci, que foi ministro dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, recebeu propina para atuar em favor da empreiteira na contratação de navios-sonda para a Petrobras, na aprovação de medidas provisórias que beneficiariam a empreiteira e na concessão de um crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para que a empresa atuasse em Angola. No mesmo relatório, a PF também indiciou Marcelo Odebrecht por corrupção ativa.

O ex-marqueteiro do PT João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, foram indiciados por lavagem de dinheiro, acusados de receber R$ 11,7 milhões. Segundo a PF, os valores tiveram origem em atos de corrupção praticados por Palocci e Marcelo Odebrecht. Dois ex-assessores de Palocci também foram indiciados por corrupção passiva pela Polícia Federal.

Notícias relacionadas

[‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora]
Política

‘O Estado brasileiro matou Marielle’, afirma viúva da vereadora

Por Matheus Simoni e Alexandre Galvão no dia 18 de Dezembro de 2018 ⋅ 09:10 em Política

"A política não aceita uma mulher preta, favelada, lésbica. Esse contexto é dramático é pode colocar outras vidas em risco”, declarou ela, em entrevista a Mário Kertész