Política

Presidente do STF rebate Renan: 'Onde um juiz for destratado, eu também sou'

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, rebateu as declarações do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a respeito da prisão de quatro policiais legislativos na semana passada, na Operação Métis. Em discurso nesta terça-feira (25), ao abrir a sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ela cobrou "respeito" ao Judiciário por parte do Legislativo e Executivo e disse que os poderes devem buscar a "harmonia" em benefício do cidadão.[Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Elza Fiúza/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 25 de Outubro de 2016 ⋅ 14:17

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, rebateu as declarações do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a respeito da prisão de quatro policiais legislativos na semana passada, na Operação Métis.

Em discurso nesta terça-feira (25), ao abrir a sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ela cobrou "respeito" ao Judiciário por parte do Legislativo e Executivo e disse que os poderes devem buscar a "harmonia" em benefício do cidadão. "Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes é agredido. E não há a menor necessidade de, numa convivência democrática, livre e harmônica, haver qualquer tipo de questionamento que não seja nos estreitos limites da constitucionalidade e da legalidade", afirmou a presidente do STF.

Renan chamou de "juizeco" o juiz federal Vallisney Souza Oliveira, responsável pelos julgamentos da operação em primeira instância. Como presidente do STF, Cármen Lúcia é também a maior autoridade do Judiciário no país.

Durante a sua fala, a ministra ressaltou que o Judiciário trata com respeito os demais poderes e que qualquer questionamento às decisões deve ser feita por meio de recursos aos próprios tribunais. "O que não é admissível aqui, fora dos autos, é que qualquer juiz seja diminuído ou desmoralizado. Porque, como eu disse, onde um juiz for destratado, eu também sou. Qualquer um de nós, juízes, é", completou.

Notícias relacionadas