Política

Ministério Público Federal investiga empresa de Donald Trump no Brasil

O Ministério Público Federal decidiu nesta sexta-feira (28) abrir investigação, no âmbito da Operação Greenfield, para apurar investimentos considerados "possivelmente criminosos" que se relacionam com o grupo econômico The Trump Organization, do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Reuters

Por Matheus Simoni no dia 28 de Outubro de 2016 ⋅ 19:45

O Ministério Público Federal decidiu nesta sexta-feira (28) abrir investigação, no âmbito da Operação Greenfield, para apurar investimentos considerados "possivelmente criminosos" que se relacionam com o grupo econômico The Trump Organization, do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump. As apurações se relacionam com investimentos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS) para entidades de previdência. O FI-FGTS é um fundo de investimento bilionário administrado pela Caixa Econômica Federal que aplica recursos do trabalhador em projetos de infraestrutura.

"A respeito do grupo econômico The Trump Organization, verificamos que este também foi beneficiado por meio de investimento do FI-FGTS no fundo de investimento Imobiliário do Porto Maravilha, que foi veículo investimento para aporte de recursos na Trump Towers Rio, e que favoreceu, de forma suspeita, o grupo econômico The Trump Organization", afirma o procurador Alselmo Henrique Cordeiro Lopes em despacho.

A atuação do FI-FGTS no Porto Maravilha gerou denúncia do órgão contra o ex-deputado Eduardo Cunha e outras quatro pessoas. A Operação Greenfield inicialmente foi deflagrada para investigar irregularidades nos quatro maiores fundos de pensão do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios).

Notícias relacionadas

[Justiça manda soltar Joesley Batista ]
Política

Justiça manda soltar Joesley Batista 

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Novembro de 2018 ⋅ 14:44 em Política

Advogado do dono da JBS, Perpaolo Bottini afirmou que a soltura demonstra "a ilegalidade e gravidade da prisão"