Política

"Alguns órgãos serão extintos, outros criados", avalia Neto sobre 2017

Nesta terça-feira (1º), ACM Neto, reeleito prefeito de Salvador, fez uma avaliação sobre o seu segundo mandato, a partir de 2017. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, ele disse que montou uma equipe, com o Secretário municipal da Casa Civil, Luiz Carrera, garantindo que a base e estruturas serão mantidas, no entanto novidades serão introduzidas. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 01 de Novembro de 2016 ⋅ 09:00

Nesta terça-feira (1º), ACM Neto, reeleito prefeito de Salvador, fez uma avaliação sobre o seu segundo mandato, a partir de 2017. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, ele disse que montou uma equipe, com o Secretário municipal da Casa Civil, Luiz Carrera, garantindo que a base e estruturas serão mantidas, no entanto novidades serão introduzidas. 

"Faremos mudanças internas em alguns órgãos. Vamos começar com mais conhecimento do que há quatro anos. Estamos trabalhando a questão econômica da cidade. A gente sabe que a questão econômica passa pela reforma do Brasil, mas estão procurando definir ações concretas para estimular a economia de Salvador. Vamos ter uma nova pasta na área econômica com uma estrutura forte. A partir de agora vou começar a chamar as forças empresarias de Salvador para o diálogo. Chamar para construir um ambiente melhor para a cidade. Provavelmente alguns órgãos serão extintos, outros criados", afirmou. 

Neto falou também que a função principal de uma cidade é ela ser prestadora de serviço. "Hoje temos despesas de custeio que limitam nossos investimentos. Estamos fazendo um estudo para diminuir o peso de terceirizados, uma parte para o REDA e para cargos de confiança. O cargo de confiança representa muito menos para o gasto público". 

O prefeito completou dizendo que as pessoas conhecem o trabalho dele e que ele não vai permitir que interesses partidários possam influir na gestão da cidade. Neto ainda defendeu que é preciso promover uma renovação.

"Aprendi que não existe organograma perfeito. Não vou fazer fatiamento e nem loteamento da prefeitura, sempre focado na eficiência da gestão. Por cuidado, vou deixar a escolha de nomes para frente, mas no meu íntimo eu sei quem pode ficar e pode sair. Tenho uma equipe que eu confio, que lutou muito. Vou ter conversas com aliados, porque não governo só, mas vou fazer ajustes e encaminhar projetos. No fim deste mês, vou procurar a equipe de gestão e da fazenda para fazer contas e não aumentar os gastos públicos. Mas, a conta final precisa ser negativa, precisa sobrar dinheiro para investir na cidade. A definição de nomes só deve sair em dezembro". 

Notícias relacionadas