Política

Rui ironiza Neto e nega possibilidade de Wagner concorrer ao governo em 2018

O governador Rui Costa (PT) foi entrevistado por Mário Kertész, na Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (7), e comentou novamente a rivalidade com o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM). Apesar de declarar que não tem nenhum problema em conversar ou fazer planos com o democrata, o petista não deixou de provocar. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 07 de Novembro de 2016 ⋅ 09:09

O governador Rui Costa (PT) foi entrevistado por Mário Kertész, na Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (7), e comentou novamente a rivalidade com o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM). Apesar de declarar que não tem nenhum problema em conversar ou fazer planos com o democrata, o petista não deixou de provocar. "Ele teria que explicar isso [da simpatia]. Não sou de família rica, meu patrimônio é pequenininho. Meu patrimônio não tem crescido", disse. Em outra oportunidade, também na Metrópole, Neto havia classificado Rui como "rancoroso" e disse que "não precisa implorar a simpatia" do governador.

"As vezes falam no interior que Salvador não tem uma maternidade. O povo do interior demora de acreditar. Não temos nenhum hospital municipal, espero que agora vá. Espero que construam creches. Vou me encontrar com o prefeito se ele quiser", acrescentou.

Questionado sobre a eleição de 2018, Rui adiantou que pretende disputar a reeleição e negou a possibilidade do ex-governador Jaques Wagner (PT) concorrer ao cargo. "Eu sou candidato a reeleição, desde que a base queira. Não tem nenhum tipo de acordo para Wagner ser candidato. Eu sou o candidato a princípio. Os prefeitos eleitos, inclusive o de Salvador, tem uma tarefa de responder ao povo", finalizou.

 

Notícias relacionadas

[Justiça manda soltar Joesley Batista ]
Política

Justiça manda soltar Joesley Batista 

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Novembro de 2018 ⋅ 14:44 em Política

Advogado do dono da JBS, Perpaolo Bottini afirmou que a soltura demonstra "a ilegalidade e gravidade da prisão"