Política

Eduardo Cunha anuncia rompimento com governo e acusa Planalto de tramar acusação

Um dia após a divulgação da denúncia de que o presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMDB) recebeu propina de US$ 5 milhões, o peemedebista anunciou à imprensa o seu rompimento político com o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Juliana Almirante no dia 17 de Julho de 2015 ⋅ 12:19

Um dia após a divulgação da denúncia de que o presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMDB) pediu propina de US$ 5 milhões, o peemedebista anunciou à imprensa o seu rompimento político com o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Segundo Cunha, a partir de agora ele passará a integrar a oposição. "Eu, formalmente, estou rompido com o governo. Politicamente estou rompido", disse o presidente da Câmara em coletiva.

Ele acusa o Palácio do Planalto de ter articulado com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a denúncia na Operação Lava Jato. Nesta quinta (16), o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo relatou à Justiça Federal do Paraná que Cunha lhe pediu propina de US$ 5 milhões para que um contrato de navios-sonda fosse viabilizado na Petrobras. 

Apesar das críticas contra o governo, o presidente da Câmara disse que o rompimento não significa o "fim da governabilidade". "O fato de eu estar rompido com o governo não vai afetar a relação institucional", completou o peemedebista.

Notícias relacionadas

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014

[Moro pede exoneração do cargo de juiz ]
Política

Moro pede exoneração do cargo de juiz 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 13:33 em Política

No documento, o futuro ministro da Justiça alegou que é notório o convite e aceite para a assumir a pasta em 2019