Política

"Ajuste sem crescimento econômico é cachorro correndo atrás do rabo", diz Renan

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou novamente o ajuste fiscal conduzido pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Duro crítico da forma como o economista leva a política econômica do governo da presidente Dilma Rousseff (PT).[Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 19 de Julho de 2015 ⋅ 15:47

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou novamente o ajuste fiscal conduzido pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Duro crítico da forma como o economista leva a política econômica do governo da presidente Dilma Rousseff (PT). "Reitero o que disse em várias oportunidade sobre o ajuste: ele é insuficiente, tacanho. Até aqui quem pagou a conta foi o andar de baixo. Esse ajuste sem crescimento econômico é cachorro correndo atrás do rabo (…) Não sai do lugar. É enxugar gelo até ele derreter. É preciso cortar. Cortar ministérios, cortar cargos comissionados, enxugar a máquina pública, fazer a reforma do Estado e ultrapassar, de uma vez por todas essa prática superada da boquinha e do apadrinhamento", afirmou o senador.

Ele culpa a presidente Dilma pela atual degradação nas áreas política e econômica do país. "Várias portas estão se fechando para o governo (…) Na opinião pública, a aprovação popular dispensa comentários. Temos uma crise política. Uma crise econômica. Temos também uma crise de credibilidade porque o sistema é presidencialista", afirmou. Renan diz não saber quando a crise vai acabar nem qual será será seu desfecho. "Estamos na escuridão, assistindo a um filme de terror sem fim e precisamos de uma luz indicando que o horror terá fim. O país pede isso todos os dias", declarou o senador.

Comentarios

Notícias relacionadas

[PDT deve oferecer ao PSB vaga de vice de Ciro Gomes]
Política

PDT deve oferecer ao PSB vaga de vice de Ciro Gomes

Por Alexandre Galvão no dia 20 de Julho de 2018 ⋅ 18:20 em Política

Depois de ver o acordo com o centrão minguar, alguns dirigentes do PDT ainda estavam otimistas sobre a chance de atrair o partido de Paulinho da Força