Política

MK comenta crise do turismo da Bahia e pede parceria entre Rui Costa e ACM Neto

O apresentador falou dos impactos -- inclusive o desemprego -- que o estado sente pela falta de investimentos, sobretudo, no setor de eventos. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Felipe Paranhos no dia 26 de Maio de 2015 ⋅ 07:27

Motivado por uma reportagem do jornal Tribuna da Bahia nesta terça-feira (26), Mário Kertész comentou na Rádio Metrópole a crise no turismo da Bahia. O apresentador falou dos impactos -- inclusive o desemprego -- que o estado sente pela falta de investimentos, sobretudo, no setor de eventos. 

"O turismo de Salvador está no chão. Eu vejo [na Tribuna] inclusive que Luis Leão, integrante do Conselho Baiano de Turismo, diz: 'Pouco se investiu no turismo de eventos, e turismo não é apenas sol e praia". Sobretudo, quando não tem sol nem tem praia, como agora. Centro de Convenções não temos. Está acabado. No turismo de congressos médicos, Salvador passou à margem, depois dos vexames que passamos com o Centro de Convenções. Além disso, nos últimos anos não se tem investido nada na divulgação do nosso turismo, nem na compreensão de que Salvador vive do turismo. Isso já está gerando desemprego. Agora acrescente isso à crise geral que o Brasil está vivendo e não vamos ver um bom resultado disso tudo. Eu lamento isso, porque a Prefeitura no início da administração de ACM Neto até começou a trablahar nisso, fez eventos importantes, melhorou bastante o Carnaval, acelerou o investimento no réveillon, mas ainda é pouco. O astral da cidade agora não está bom, com essas chuvas todas, 21 pessoas morreram, esses desabamentos, isso desanima todo mundo, inclusive a Prefeitura, o que é normal, mas a gente não vai deixar se abater por isso. Mas eu acho que está na hora de o governador e prefeito se sentaram para discutir esse assunto. Vi que um dos maiores cortes que foi feito foi no ministério do turismo. Aqui, a Secretaria do Turismo, do meu amigo Nelson Pelegrino, está sem dinheiro. E a expectativa e esperança dele é buscar isso... no ministério do turismo. Acontece que o ministério do turismo foi capado", disse.

Um assunto puxa o outro, e, falando da crise econômica, MK citou a necessidade que o trabalhador brasileiro terá de batalhar mais, trabalhar mais e ser mais criativo para escapar do mau momento do país. "Vejo Joaquim Levy, ministro da fazenda, dizer: 'Acabou o dinheiro. Vocês pensam que é de brincadeira? Acabou o dinheiro'. Acabou aquela farra. É agora que vamos precisar trabalhar mais, com mais empenho, mais criatividade, senão a vaca vai para o brejo", falou. 

Comentarios

Notícias relacionadas