Política

Nilo chama Félix Jr. de "filhinho de papai" e diz ele adversário foi esquecido

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo (PDT), continua em pé de guerra com Félix Mendonça Jr., presidente estadual do partido. Em entrevista à Rádio Metrópole nesta terça-feira (26), ele declarou que, se houver eleição para a direção da legenda, não haverá qualquer dificuldade de ganhar a presidência. Além disso, não deixou de alfinetar o desafeto, a quem chamou de "filhinho de papai". [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Por Felipe Paranhos no dia 26 de Maio de 2015 ⋅ 08:40

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo (PDT), continua em pé de guerra com Félix Mendonça Jr., presidente estadual do partido. Em entrevista à Rádio Metrópole nesta terça-feira (26), ele declarou que, se houver eleição para a direção da legenda, não haverá qualquer dificuldade de ganhar a presidência. Além disso, não deixou de alfinetar o desafeto, a quem chamou de "filhinho de papai". 

"Eu quero ser presidente do partido, porque eu não tenho disputa. É óbvio que se tiver qualquer disputa, eu ganharei. Mas ele está conduzindo isso empurrando com a barriga, para ganhar no tapetão. Eu acredito, porque é uma decisão da Executiva Nacional. Mas Félix Mendonça Jr. não existe no partido. É só ele, a mulher dele e os funcionários dele. Então, ele quer ganhar no tapetão, porque os outros deputados estão todos comigo", falou.

Nilo ainda disse que Félix foi esquecido pelo eleitor. "Ele é filhinho de papai. Ele foi eleito a primeira vez, mas os eleitores deixaram ele. Ele não consegue ter uma reunião com o executivo. Quando chega lá na reunião, briga com todo mundo. Ele não tem afinidade política. Ele é uma pessoa que não tem força política dentro do partido. Em agosto terá eleição. E está todo mundo comigo", finalizou. 

Notícias relacionadas

[Sem Wagner e Coronel, Rui reúne hoje conselho político]
Política

Sem Wagner e Coronel, Rui reúne hoje conselho político

Por Alexandre Galvão no dia 19 de Novembro de 2018 ⋅ 07:43 em Política

A expectativa é de que o petista, e os líderes dos partidos, estabeleçam critérios objetivos para o sucessor de Angelo Coronel (PSD), que se elegeu senador