Política

Dilma diz a governadores que o país está em "travessia para lugar melhor"

Durante uma reunião com governadores na última quinta-feira (30), a presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que a situação do país deve melhorar em breve. Segundo ela, o Brasil passa por uma "travessia". "Nós estamos num ano de travessia, essa travessia é para levar o Brasil para um lugar melhor", disse a petista. Além dos 26 representantes dos estados brasileiros, participaram da reunião 10 ministros do governo. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/Palácio do Planalto

Por Matheus Simoni no dia 31 de Julho de 2015 ⋅ 16:00

Durante uma reunião com governadores na última quinta-feira (30), a presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que a situação do país deve melhorar em breve. Segundo ela, o Brasil passa por uma "travessia". "Nós estamos num ano de travessia, essa travessia é para levar o Brasil para um lugar melhor", disse a petista. Além dos 26 representantes dos estados brasileiros, participaram da reunião 10 ministros do governo.

"Queria dizer aos senhores que eu pessoalmente sei suportar pressão e até injustiça. Isso é algo que qualquer governante tem de se capacitar para, e saber que faz parte da sua atuação. Eu também quero dizer que tenho ouvido aberto, e também o coração, porque tem de ter o ouvido aberto enquanto razão, e o coração, enquanto emoção e sentimento", afirmou Dilma.

Ela ressaltou o surgimento de um "novo Brasil" e disse estar pronta para exigir cada vez mais dos estados e municípios."Nesse novo Brasil, nenhum governo, nenhum governante pode se acomodar. Muita coisa nós sabemos que precisa melhorar, principalmente porque sabemos que o nosso povo está sofrendo", declarou.

Notícias relacionadas

[Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país ]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 23 de Setembro de 2018 ⋅ 10:00 em Política

Presidenciável ressaltou que, embora seja visto como um político de "esquerda", ele defende a união entre "o Brasil que produz com o Brasil que trabalha".