Política

Doleiro de esquema de Sergio Cabral é preso no Uruguai

Foram presos em Montevidéu, capital uruguaia, nesta sexta-feira (3) os brasileiros Vinícius Claret, também conhecido com "Juca Bala", e Cláudio Fernando Barbosa, ambos envolvidos em operações de lavagem de dinheiro do esquema do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Os mandados de prisão são assinados pelo juiz Marcelo Bretas da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. [Leia mais...]

[Doleiro de esquema de Sergio Cabral é preso no Uruguai]
Foto : Fernando Frazão/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 04 de Março de 2017 ⋅ 08:05

Foram presos em Montevidéu, capital uruguaia, nesta sexta-feira (3) os brasileiros Vinícius Claret, também conhecido com "Juca Bala", e Cláudio Fernando Barbosa, ambos envolvidos em operações de lavagem de dinheiro do esquema do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Os mandados de prisão são assinados pelo juiz Marcelo Bretas da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Os dois nomes estavam na difusão vermelha da Interpol. De acordo com informações do Jornal O Globo, as prisões são fruto de uma operação conjunta da polícia do Uruguai e da Polícia Federal brasileira. Os presos foram direcionados até a sede da Interpol no Uruguai. "Juca Bala" foi citado por dois delatores premiados da Operação Calicute, os irmãos Renato e Marcelo Chebar.

A dupla revelou que, quando o esquema de propina de Cabral ficou grande demais, em 2007, tiveram de chamar Juca para assumir as operações de lavagem. Até então, Renato e Marcelo usavam operações dólar-cabo (entrega de valores em reais no Brasil para que fossem creditados recursos em dólar no exterior) usando a própria clientela. Os irmãos Chebar revelaram a existência de um total de US$ 100 milhões escondidos por Sérgio Cabral no exterior. 

Notícias relacionadas

[PGR pede que Collor seja condenado a 22 anos de prisão]
Política

PGR pede que Collor seja condenado a 22 anos de prisão

Por Juliana Almirante no dia 26 de Abril de 2019 ⋅ 12:00 em Política

Ex-presidente é acusado de ter recebido mais de R$ 50 milhões em propina, em esquema de corrupção na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras