Política

Dilma afirma ter pedido apoio dos governadores para o crescimento do país

Após se reunir com governadores brasileiros em Brasília, a presidente Dilma Rousseff (PT) avaliou o encontro com os representantes dos estados neste domingo (2). Em sua conta oficial no Twitter, ela destacou a necessidade de colaboração entre o governo federal e os estados para o país voltar a crescer. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 02 de Agosto de 2015 ⋅ 15:33

Após se reunir com governadores brasileiros em Brasília, a presidente Dilma Rousseff (PT) avaliou o encontro com os representantes dos estados neste domingo (2). Em sua conta oficial no Twitter, ela destacou a necessidade de colaboração entre o governo federal e os estados para o país voltar a crescer. "Gostei muito da reunião com os governadores. Apresentaram posições, sugestões e encaminhamentos importantes para o País. Nós temos em comum a eleição pelo voto popular majoritário e a responsabilidade de cumprir, no mandato de quatro anos, nosso programa de governo", escreveu Dilma.

Durante a reunião, a presidente explicou aos governadores as causas da queda da arrecadação e propôs aos estados uma parceria para enfrentar problemas e superar crise. Em resposta, os governadores comprometeram-se a ajudar o governo a evitar a aprovação de projetos da chamada pauta-bomba, em tramitação no Congresso Nacional que, segundo o Executivo, podem gerar gastos adicionais, comprometendo o ajuste fiscal.

"É nossa obrigação, mesmo com as diferenças partidárias, dialogar para que o país saia com rapidez de suas dificuldades. Para que volte a crescer, com equilíbrio fiscal,  inflação sob controle, gerando empregos e prosperidade para os cidadãos e suas famílias", avaliou Dilma.

Notícias relacionadas

[Mourão diz que MEC precisa de 'freio de arrumação']
Política

Mourão diz que MEC precisa de 'freio de arrumação'

Por Matheus Simoni no dia 22 de Março de 2019 ⋅ 12:40 em Política

Declaração foi feita após ele ser questionado se ele está “desconfortável” com os “desencontros” verificados na pasta, comandada pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez