Política

Janot pede para investigar ministro Eliseu Padilha por corrupção

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a abertura de inquérito contra o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Supremo Tribunal Federal (STF) por suposto pagamento de propina em doações eleitorais dadas ao PMDB. Segundo o jornal O Globo, investigadores da Lava Jato confirmaram que um dos 83 inquéritos cuja abertura foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao STF tem como alvo o peemedebista. [Leia mais...]

[Janot pede para investigar ministro Eliseu Padilha por corrupção]
Foto : Antônio Cruz/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 14 de Março de 2017 ⋅ 19:20

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a abertura de inquérito contra o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Supremo Tribunal Federal (STF) por suposto pagamento de propina em doações eleitorais dadas ao PMDB. Segundo o jornal O Globo, investigadores da Lava Jato confirmaram que um dos 83 inquéritos cuja abertura foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao STF tem como alvo o peemedebista.

De acordo com os procuradores, a verba pode ser fruto de corrupção, conforme relatado na delação da Odebrecht. Segundo o ex-diretor Claudio Melo Filho, delator da Odebrecht, a doação ao partido foi negociada em um jantar no Palácio do Jaburu, em 2014, com presenças do então vice-presidente Michel Temer e de Padilha. Temer pode ficar fora dessa investigação porque o entendimento no MPF é que o presidente da República não pode ser investigado por fatos anteriores ao mandato.

Além dos 83 pedidos de inquértio contra pessoas que tem prerrogativa de foro no STF, Rodrigo Janot também enviou 211 casos nos quais encontrou indícios de irregularidade contra pessoas sem direito ao foro privilegiado na Suprema Corte. Os casos foram remetidos ao STF, que fará o encaminhamento aos tribunais inferiores para análise. Janot também pediu sete arquivamentos e 19 outras providências – que podem ser, por exemplo, operações de busca e apreensão. No total, foram enviados ao STF 320 pedidos.

Notícias relacionadas