Política

“Câmara não pode se transformar em bunker da oposição”, diz Wagner

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, tentou minimizar a péssima relação entre o governo Dilma Rousseff (PT) e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Matheus Morais no dia 04 de Agosto de 2015 ⋅ 09:45

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, tentou minimizar a péssima relação entre o governo Dilma Rousseff (PT) e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB). Wagner afirmou que espera uma posição de “institucionalidade” do parlamentar no comando da Casa e que a presidência da Câmara não pode se transformar em bunker da oposição.

“A preocupação geral que se tem é que se mantenha a institucionalidade da Casa. O papel do presidente da Casa, independentemente de não ser vedado a ele ter suas preferências, é um papel de magistrado e portanto de manter o equilíbrio da Casa. Eu acho estranho se a presidência da Câmara dos Deputados se transformar no bunker organizador da oposição”, disse Wagner após participar da reunião de coordenação política com Dilma e mais dez ministros.

“Isso é papel das lideranças da oposição. A única expectativa que eu tenho é que essa institucionalidade seja mantida e que haja, por parte do presidente da Casa, a manutenção dessa equidistância. Ele, nas suas articulações pessoais, vai agir de acordo com suas convicções. Com o manto de presidente da Câmara, acho que ele não pode permitir que haja uma invasão dessa institucionalidade, mas isso está a cargo da decisão dele”, completou.

Notícias relacionadas

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014

[Moro pede exoneração do cargo de juiz ]
Política

Moro pede exoneração do cargo de juiz 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 13:33 em Política

No documento, o futuro ministro da Justiça alegou que é notório o convite e aceite para a assumir a pasta em 2019