Política

Deputada sobe o tom e chama projeto da reforma trabalhista de 'desgraça'; vídeo

Durante a sessão da última terça-feira (18), o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou um requerimento de urgência que, caso aprovado, iria acelerar a tramitação do projeto que estabelece a reforma trabalhista. Com 230 votos favoráveis, o requerimento não atingiu a meta necessária de pelo menos 257 votos, e teve ainda 163 contrários, o que gerou confusão na Casa por parte dos partidos de oposição, contrários a pontos da reforma trabalhista. [Leia mais...]

[Deputada sobe o tom e chama projeto da reforma trabalhista de 'desgraça'; vídeo]
Foto : Nilson Bastian/ Câmara dos Deputados

Por Jessica Galvão no dia 19 de Abril de 2017 ⋅ 10:56

Durante a sessão da última terça-feira (18), o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou um requerimento de urgência que, caso aprovado, iria acelerar a tramitação do projeto que estabelece a reforma trabalhista. Com 230 votos favoráveis, o requerimento não atingiu a meta necessária de pelo menos 257 votos, e teve ainda 163 contrários, o que gerou confusão na Casa por parte dos partidos de oposição, contrários a pontos da reforma trabalhista.

Durante a sessão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se levantou da cadeira de presidente por alguns instantes e a deputada Luiza Erundina (PSOL-SP) sentou-se no lugar dele e, conduzindo a sessão, disparou: 'Com a palavra, o deputado Rogério Marinho, relator dessa desgraça'.

Ao voltar para a mesa da presidência, Maia tentou convencer a deputada a deixar o lugar e encerrou a votação. 'Ela [a votação] aconteceu com um quórum baixo e eu encerrei a votação num momento equivocado. Se a maioria dos líderes apresentar novo requerimento, é uma decisão que pode ser tomada, que pode ser pautada a qualquer momento, não há nenhuma prejudicialidade', disse ele.

Veja vídeo: 

 

Notícias relacionadas