Política

Deputado pega carona em medida paulista e quer proibir foie gras na Bahia

A mesma medida, proposta pelo prefeito Fernando Haddad (PT) chegou a ser aprovada em São Paulo, mas a Justiça paulista já conseguiu, em caráter provisório, suspender a lei. [leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Pedro Sento Sé no dia 07 de Agosto de 2015 ⋅ 11:21

Você sabe o que é foie gras? Bom, não se assuste. Você não dever o único que não conhece essa iguaria. Foie gras é fígado gordo de pato ou de ganso. Salivou? Caso tenha interesse em experimentar, prepare o bolso: em média, o quilo deste quitute é vendido R$ 300,00. E adiante a seu lado.

Isto porque o deputado baiano Marcell Moraes (PV) quer propor uma lei que proíbe a venda do prato no estado. A mesma medida, proposta pelo prefeito Fernando Haddad (PT) chegou a ser aprovada em São Paulo, mas a Justiça paulista já conseguiu, em caráter provisório, suspender a lei.

Para Marcel Moraes, a maneira de engordar o animal para consumo seria uma “tortura”. O processo em questão é conhecido como “gavage”, no qual os animais são obrigados a comer e engordar execessivamente. Após inúmeras críticas, o deputado defendeu a sugestão de proibição. “Fui eleito para cuidar de bicho. Existem mais 62 deputados, se cada um fizer sua parte as coisas andam! Porém, não enganei ninguém, falei na campanha que ia defender os animais.  Represento um seguimento, é que me fez ter 25 mil votos só em Salvador e sendo o sexto mais votado! Democracia é isso ... um cuida da saúde, outro educação e também animais! Pelos animais estou fazendo, sendo escolhido o deputado que apresentou mais projetos”, disse.

Notícias relacionadas

[Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país ]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 23 de Setembro de 2018 ⋅ 10:00 em Política

Presidenciável ressaltou que, embora seja visto como um político de "esquerda", ele defende a união entre "o Brasil que produz com o Brasil que trabalha".