Política

Temer diz que grau de investimento no Brasil será recuperado em breve

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (11) em uma cerimônia do setor de agronegócio que "logo" o Brasil vai recuperar grau de investimento que já teve. [Leia mais...]

[Temer diz que grau de investimento no Brasil será recuperado em breve]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 11 de Agosto de 2017 ⋅ 15:35

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (11) em uma cerimônia do setor de agronegócio que "logo" o Brasil vai recuperar grau de investimento que já teve. O grau de investimento indica se um país é confiável para fazer negócios, sem riscos de "calote"

“Quando vejo o Risco Brasil, que estava em mais de 470 pontos negativos quando assumi o governo, hoje está em 195 pontos. Portanto, caiu sensivelmente e logo, logo, vamos reassumir o grau de investimento que perdemos no passado”, disse.

Em 2008, o Brasil conseguiu elevar a categoria de grau de investimento com a indicação positiva da agência a Standard & Poor"s, da Fitch, e da Moody"s.

Porém, em 2015, a Standard & Poor"s retirou o grau de investimento do país e deu parecer negativo. A Fitch também reduziu naquele ano a nota do Brasil dando um nível abaixo do patamar de bom pagador. A Moody"s também retirou o grau de investimento do Brasil em 2016 e abaixou a nota do país para dois patamares abaixo do grau de investimento.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Doleiro dos doleiros quer acordo para não ser preso ]
Política

Doleiro dos doleiros quer acordo para não ser preso 

Por Metro1 no dia 24 de Junho de 2018 ⋅ 15:00 em Política

“Dario está aberto e quer falar tudo o que sabe, mas não quer ter a faca no pescoço”, diz José Marcondes de Moura, advogado brasileiro de Messer

[Defesa de Lula rebate afirmação de Moro ao STF]
Política

Defesa de Lula rebate afirmação de Moro ao STF

Por Metro1 no dia 23 de Junho de 2018 ⋅ 16:30 em Política

Os advogados de Lula argumentam que a “indisposição” de Moro para cumprir a decisão da 2ª Turma da Corte ressalta a “constante afronta” ao STF