Política

Geddel afirma torcer por caminho natural e evitar impeachment

Questinonado por Mário Kertész sobre o vice Michel Temer (PMDB) assumir a presidência da República, o presidente estadual do PMDB, Geddel Vieira Lima, falou que não é a favor nem contra e que não existe aproximação dele por conta do partido. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução / A Tarde

Por Camila Tíssia no dia 20 de Agosto de 2015 ⋅ 08:05

Questinonado por Mário Kertész sobre o vice Michel Temer (PMDB) assumir a presidência da República, o presidente estadual do PMDB, Geddel Vieira Lima, falou que não é a favor nem contra e que não existe aproximação dele por conta do partido. "Em caso de impeachment ou renúncia, é a constituição, Temer assume ser o vice-presidente no lugar de Dilma", disse em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (20).

Geddel ainda comentou sobre a posição da presidente Dilma diante de tantas discussões sobre o atual cenário político do Brasil. "Ontem entidades se reuniram para apresentar uma carta com propostas de possíveis saídas, em nenhuma colocaram a presidenta como a interlocutora. Dilma perdeu essa centralidade. Como pode entidades se reunirem e ela não ser o foco?"

O presidente estadual do PMDB ainda afirma que é preciso projetar esperanças para futuro. "Para continuar esse processo, o caminho natural seria uma renúncia. Torço para que haja um caminho natural e evitar um projeto de luta e impeachment no país".

Notícias relacionadas

[Isidório renuncia na AL-BA e policial federal assume]
Política

Isidório renuncia na AL-BA e policial federal assume

Por Clara Rellstab no dia 24 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:20 em Política

O Policial Federal Anderson Muniz assumirá a posição de Isidório na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) até o dia 31 de janeiro

[ Pacote de Moro propõe ampliar confisco de bens]
Política

Pacote de Moro propõe ampliar confisco de bens

Por Clara Rellstab no dia 23 de Janeiro de 2019 ⋅ 11:40 em Política

Promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL), as mudanças na legislação visam a fortalecer o combate à corrupção e ao crime organizado