Política

Ex-governador do Mato Grosso diz ter emitido nota promissória de propina para TCE não dificultar obras da Copa

O ex-governador do Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), afirmou em depoimento prestado em acordo de colaboração premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que emitiu notas promissórias para o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), que na época era Ricardo Novelli, para que o órgão não freasse o andamento de obras da Copa em Cuiabá. [Leia mais...]

[Ex-governador do Mato Grosso diz ter emitido nota promissória de propina para TCE não dificultar obras da Copa]
Foto : Josi Pettengill/Secom-MT

Por Paloma Morais no dia 26 de Agosto de 2017 ⋅ 16:36

O ex-governador do Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), afirmou em depoimento prestado em acordo de colaboração premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que emitiu notas promissórias para o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), que na época era Ricardo Novelli, para que o órgão não freasse o andamento de obras da Copa em Cuiabá.

Conforme depoimento do ex-governador, Novelli o procurou para relatar que os conselheiros estavam “descontentes” com as obras da Copa, do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) no estado e as obras de um programa de rodovias. Para que o tribunal não impedisse o andamento das obras, Silval disse que os conselheiros pediram R$ 70 milhões em propina. Após negociações, o valor acordado foi de R$ 53 milhões, com pagamentos realizados durante 18 meses. Novelli também, de acordo com Silval, pediu notas promissórias do pagamento para que “pudesse comprovar aos demais conselheiros que tinha a garantia do pagamento”. Ao todo foram emitidas 36 notas promissórias, segundo relatou o ex-governador.

Notícias relacionadas

[Sem acordo, CCJ adia mais uma vez reforma da Previdência]
Política

Sem acordo, CCJ adia mais uma vez reforma da Previdência

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Abril de 2019 ⋅ 12:48 em Política

A proposta enviada ao parlamento em fevereiro pelo governo Jair Bolsonaro é considerada crucial pela equipe econômica para a recuperação das contas públicas