Política

Temer diz que não se pode "manter o silêncio" sobre suspeição de Rodrigo Janot

O presidente Michel Temer voltou a tecer críticas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e afirmou que não se pode "manter o silêncio" sobre o pedido de suspeição contra o chefe do Ministério Público. Após se reunir com empresários chineses em Pequim, nesta quinta-feira (31), Temer afirmou que o Judiciário deve decidir a questão e negou que o governo esteja tentando "desqualificar" Janot.[Leia mais...]

[Temer diz que não se pode
Foto : Beto Barata/ Presidência da República

Por Matheus Simoni no dia 31 de Agosto de 2017 ⋅ 07:39

O presidente Michel Temer voltou a tecer críticas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e afirmou que não se pode "manter o silêncio" sobre o pedido de suspeição contra o chefe do Ministério Público. Após se reunir com empresários chineses em Pequim, nesta quinta-feira (31), Temer afirmou que o Judiciário deve decidir a questão e negou que o governo esteja tentando "desqualificar" Janot.

"Você sabe que no plano jurídico, quando alguém começa a agir suspeitamente, você tem que arguir da suspeição, e quem decide é o Judiciário. O Judiciário é que vai decidir o que deve haver, se há suspeição, se não há suspeição. O que não se pode é manter o silêncio. Mas foi o que o advogado fez", disse o presidente. Na última quarta-feira (30), o ministro Edson Fachin do Supremo Tribunal Federal (STF) negou um pedido feito pela defesa de Temer e deu aval para Janot seguir na condução das investigações contra o presidente. De acordo com a defesa, a defesa do peemedebista alega que o procurador teria extrapolado seus limites legais nas investigações no âmbito da Operação Lava Jato.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...