Política

Após denúncia contra Cunha, Wagner acredita em “guerra política" na Câmara

Vem chumbo grosso por aí! O ex-governador e atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), acredita que haverá uma “guerra na política” na Câmara dos Deputados. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Matheus Morais no dia 21 de Agosto de 2015 ⋅ 07:21

Vem chumbo grosso por aí! O ex-governador e atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), acredita que haverá uma “guerra na política” na Câmara dos Deputados, depois que a Procuradoria Geral da República (PGR), apresentou denúcia contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), por lavagem de dinheiro e corrupção ativa.

“O fato de estar denunciado não tem uma obrigação de afastamento. Porém, seguramente, vai haver uma guerra política lá dentro. Só o plenário da Câmara pode decidir isso [afastamento ou não de Cunha]”, disse o ministro, em visita feita nesta quinta-feira (20) ao 26º Batalhão de Infantaria.Paraquedista, em Deodoro, no Rio de Janeiro.

“A denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal e será julgada pelo Supremo. Portanto, o Executivo não tem nada com isso e não imagino que o presidente da Câmara queira se voltar contra o Executivo”, avaliou Wagner.

Segundo a Agência Brasil, Wagner acredita que o argumento de que o governo interferiu no caso não é razoável. Além do deputado Eduardo Cunha, o senador e ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL) também foi denunciado por corrupção nesta quinta-feira pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Notícias relacionadas

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014

[Moro pede exoneração do cargo de juiz ]
Política

Moro pede exoneração do cargo de juiz 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 13:33 em Política

No documento, o futuro ministro da Justiça alegou que é notório o convite e aceite para a assumir a pasta em 2019