Política

7 de setembro: Temer deve abrir mão da faixa presidencial e recusar desfile em carro aberto

O presidente Michel Temer deve abrir mão da faixa presidencial e do carro aberto Rolls Royce, assim como fez ano passado durante o desfile de Sete de Setembro. A festa da próxima quinta-feira em Brasília custará R$ 787,5 mil e será preparada para 30 mil pessoas. [Leia mais...]

[7 de setembro: Temer deve abrir mão da faixa presidencial e recusar desfile em carro aberto]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 04 de Setembro de 2017 ⋅ 18:16

O presidente Michel Temer deve abrir mão da faixa presidencial e do carro aberto Rolls Royce, assim como fez ano passado durante o desfile de Sete de Setembro. A festa da próxima quinta-feira em Brasília custará R$ 787,5 mil e será preparada para 30 mil pessoas. Será o menor preço em sete anos. Segundo informações do jornal O Globo, Temer voltará ao Brasil na véspera da cerimônia, no dia 6 de setembro, e não deve participar do desfile.

Em 2016, o presidente havia embarcado para o G20 em 31 de agosto, horas após a definição do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Desta vez, Temer retornará do encontro dos Brics — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em Xiamen, na China. Ao lado da primeira-dama, Marcela Temer, o peemedebista foi recebido no último 7 de Setembro com vaias e aplausos, abriu mão da faixa presidencial e não desfilou de carro aberto.

Notícias relacionadas

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...

[Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS]
Política

Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:28 em Política

Eleito em 1989 presidente da República, o primeiro eleito pelo voto popular após a ditadura militar, Collor comandou o país entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment