Política

Após nova investigação, defesa de Temer diz que provas da JBS são \"sem valor nenhum\"

Após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abrir uma investigação para avaliar a omissão de informações nas delações de executivos da JBS, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que lidera a defesa do presidente Michel Temer, afirmou em entrevista à Agência Brasil que todas as declarações e provas fornecidas por executivos da JBS são “viciadas” e “cheias de problemas” [Leia mais...]

[Após nova investigação, defesa de Temer diz que provas da JBS são \
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Bárbara Silveira no dia 05 de Setembro de 2017 ⋅ 10:27

Após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abrir uma investigação para avaliar a omissão de informações nas delações de executivos da JBS, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que lidera a defesa do presidente Michel Temer, afirmou em entrevista à Agência Brasil que todas as declarações e provas fornecidas por executivos da JBS são “viciadas” e “cheias de problemas”. De acordo com Mariz, o pedido de investigação torna as informações sem “valor nenhum”.

“Algumas ilegalidades já tinham sido apontadas pela defesa antes mesmo da declaração do procurador-geral [Rodrigo Janot]. Já havíamos denunciado a péssima conduta do procurador Marcelo Miller, já havíamos denunciado irregularidades na gravação [apresentada por Joesley Batista]. Enfim, as provas que deram base à denúncia [contra o presidente Michel Temer] eram provas anunciadamente maculadas, viciadas. Agora, com essas declarações do procurador-geral, nossas suspeitas se confirmaram”, argumentou Mariz.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...