Política

Juiz mantém decisão que rejeitou ação de Temer contra Joesley por calúnia

O juiz federal Marcos Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal em Brasília, manteve a sua decisão anterior e rejeitou a ação protocolada pela defesa do presidente Michel Temer contra o empresário Joesley Batista, dono da JBS. No recurso, o peemedebista pedia que o executivo fosse condenado pelos crimes de calúnia, difamação e injúria. [Leia mais...]

[Juiz mantém decisão que rejeitou ação de Temer contra Joesley por calúnia]
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Laura Lorenzo no dia 12 de Setembro de 2017 ⋅ 18:10

O juiz federal Marcos Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal em Brasília, manteve a sua decisão anterior e rejeitou a ação protocolada pela defesa do presidente Michel Temer contra o empresário Joesley Batista, dono da JBS. No recurso, o peemedebista pedia que o executivo fosse condenado pelos crimes de calúnia, difamação e injúria.

Temer moveu a ação contra Joesley após a entrevista do empresário à revista Época, em junho deste ano, em que o executivo diz que o peemedebista é “o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”.

No entendimento do juiz, que consta na decisão assinada no dia 5 de setembro, não há motivos para rever sua decisão. Ainda de acordo com ele, Joesley não cometeu os crimes ao citar o presidente na entrevista, mas relatou os fatos no contexto de seus depoimentos de delação premiada. A partir de agora, o caso será julgado pela segunda instância da Justiça Federal.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...