Política

Temer e Geddel dividiram propina da Odebrecht, diz Funaro

O doleiro Lúcio Funaro afirmou em sua delação premiada que o presidente Michel Temer dividiu o dinheiro vindo de propina da Odebrecht com seu colega de partido e ex-homem forte de seu governo, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA). Nos depoimentos de sua colaboração, que já foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal, Funaro diz que buscou R$ 1 milhão em espécie, supostamente pagos pela empreiteira, no escritório do advogado e ex-deputado José Yunes, amigo de Temer. [Leia mais...]

[Temer e Geddel dividiram propina da Odebrecht, diz Funaro]
Foto : Marcos Corrêa/ Vice Presidência da República

Por Laura Lorenzo no dia 13 de Setembro de 2017 ⋅ 14:28

O doleiro Lúcio Funaro afirmou em sua delação premiada que o presidente Michel Temer dividiu o dinheiro vindo de propina da Odebrecht com seu colega de partido e ex-homem forte de seu governo, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA). Nos depoimentos de sua colaboração, que já foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal, Funaro diz que buscou R$ 1 milhão em espécie, supostamente pagos pela empreiteira, no escritório do advogado e ex-deputado José Yunes, amigo de Temer. Ele contou ainda que mandou a quantia para Geddel, na Bahia.

Os relatos narrados pelo doleiro corroboram com a versão apresentada pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Mello Filho em sua delação. Ele contou que negociou com Temer e seus aliados, entre eles o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), doações de caixa 2 para campanhas em 2014, no total de R$ 10 milhões. Ainda de acordo com seu relato, parte desse valor teria sido distribuída por meio de Yunes, apontado como um dos “operadores” do presidente. À Procuradoria-Geral da República (PGR), Yunes afirmou ter sido usado como “mula” de Padilha para a entrega de um pacote.

De acordo com Funaro, dirigentes da Odebrecht teriam usado o doleiro Álvaro Novis para fazer com que os valores destinados a Temer chegassem a Yunes e que, na ocasião, ele teria recebido um telefonema de Geddel pedindo que retirasse R$ 1 milhão, a ser entregue em Salvador. Geddel “informou que o dinheiro que iria retirar com José Yunes era referente a uma doação via caixa 2 da Odebrecht, acertada juntamente (com) Eliseu Padilha e Michel Temer”, diz parte da delação de Funaro.

“Estes valores eram de Michel Temer, o qual estava enviando uma parte do dinheiro arrecadado para Geddel”, completa o documento.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...