Política

Coronel diz que futuro político depende de Otto, mas alfineta senador: "Não sou subalterno"

Mais novo cidadão soteropolitano, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel (PSD), voltou a falar do seu futuro político, em entrevista ao Metro1, na manhã desta sexta-feira (15). [Leia mais...]

[Coronel diz que futuro político depende de Otto, mas alfineta senador:
Foto : Arte Metropress

Por Matheus Morais no dia 15 de Setembro de 2017 ⋅ 10:20

Mais novo cidadão soteropolitano, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel (PSD), voltou a falar do seu futuro político, em entrevista ao Metro1, na manhã desta sexta-feira (15). O deputado afirmou que é um liderado do presidente do PSD, o senador Otto Alencar, e que só tomará alguma decisão sobre uma possível candidatura, em 2018, com orientação de Otto. Na oportunidade, Coronel não perdeu a chance de polemizar.

"Eu, sozinho, não sou ninguém. Sou um liderado do senador Otto Alencar, do PSD, o partido que eu ajudei a fundar na Bahia. Lá na frente, se ele falar para eu pendurar as chuteiras, vou pendurar, se ele falar para ser candidato na majoritária, vou ser. Eu sou um homem de partido, mas sou um homem de partido que tem opinião, gosto de externa-las. Ser um homem de partido e seguir a liderança do senador Otto Alencar não significa dizer amém, ser subalterno. A pessoa não deve ser subalterno de ninguém. Gosto do senador Otto Alencar porque ele senta e conversa, tudo se resolve", disse.

Notícias relacionadas

[Economista é indicado para assumir Enem]
Política

Economista é indicado para assumir Enem

Por Alexandre Galvão no dia 21 de Janeiro de 2019 ⋅ 15:55 em Política

Teixeira é professor da PUC-Rio nos cursos de graduação e pós-graduação em Administração

[Juiz manda PT baiano devolver mais de R$ 40 mil ]
Política

Juiz manda PT baiano devolver mais de R$ 40 mil 

Por Alexandre Galvão no dia 21 de Janeiro de 2019 ⋅ 09:56 em Política

Nas ações, são citados o presidente do partido na Bahia, Everaldo Anunciação e Ivan Alex Teixeira Lima, secretário de Finanças